domingo, 8 de junho de 2008

Rescaldo – Passeio BTT de 08/06/2008 – "Reumáticos na Falesia"


Mais um passeio pela Arrábida, hoje com a experiência da câmara "on-board"e mais uma vez voltámos a descobrir novos caminhos, mas já lá vamos!

Como ninguém ia de carro até Palmela (As Festas Populares do Pinhal Novo fizeram duas baixas: O Zé e o Ricardo) o ponto de encontro foi às 08h30 no largo do Restaurante "A Charrua". Desta vez coube-me a mim esperar um pouco, mas passados poucos minutos chegaram os três "Team Arrábida".
Seguimos como habitualmente em direcção á rua da escola secundaria e às 08h50 já estávamos na rotunda de Palmela. Tinha combinado com o Fernando que se quando nós passássemos ele não estivesse na rotunda que não valia a pena esperar porque era sinal que ele não iria connosco. E assim foi, ele não estava e nós seguimos directos para os moinhos da serra do louro, depois seguimos pelos trilhos do costume até ao "Cai-de-Costas", subimos mas desta vez todos chumbámos no "exame" e todos tivemos que meter o pé no chão, o que não deixa de ser normal (o anormal é alguém conseguir, lolololol). Um pouco mais à frente descemos por um trilho estreito e fomos ter a um estradão que segue paralelo ao do "Cai-de-Costas" (mas vi um trilho mais à direita coberto de vegetação que parece ser espectacular! Mais um a descobrir numa próxima!). Seguimos o tal estradão e consegui tirar uma truga a um coelhito!! (ver foto ao lado), lá mais à frente voltámos à esquerda e subimos até ao outro caminho que vem do "Cai-de-Costas", a subida foi longa e como era esperado era a altura do António começar a refilar por causa disso mesmo (o que vale é que o Artur e o Jorge são como eu e também gostam de subir e têm mais medo das descidas do que das subidas).
Agora era a altura de voltarmos aos caminhos habituais (por pouco tempo) e passámos a N10 em direcção ao Moinho do Cuco e depois até à estrada dos picheleiros. A seguir fomos investigar a entrada para os trilhos do Alto da Madalena (mais um para descobrir!!). Depois voltámos para trás e seguimos o caminho que tínhamos planeado indo para Azeitão até uma das fontes "azeitonenses". Paramos tivemos a ver os mapas que eu tinha levado mas como achámos que estávamos mal, invertemos a marcha e voltamos para trás. Chegámos a um cruzamento e era a altura de olhar novamente para os mapas e chegar à conclusão que a fonte que andávamos à procura não devia ser aquela e que tínhamos de lá voltar e seguir a estrada nacional até encontrarmos uma outra fonte. Desta vez tínhamos razão, encontrámos a segunda fonte do dia e logo a seguir virámos à esquerda e começamos mais uma subida por entre uma mão cheia de quintas (vive-se mesmo muito "mal" por aquelas zonas!). Já era tarde, o António já estava esfomeado, e a subir parecia que o estômago dele estava colado ás costas, até parecia mais magro, eheheheh. Depois de mais uma analise aos mapas, continuámos o caminho, mas tivemos de voltar para trás uns metros porque encontrámos uma cancela e dois cães grandes (mas que ainda estavam muito longe). Como não queríamos passar por caminhos privados, avançámos para o "plano B" e chegámos ao destino planeado: o trilho da falésia.
Aí encontrámos um grupo enorme de pessoas que estavam a fazer uma prova de orientação e que nos fizeram uma série de perguntas que infelizmente não pudemos responder (Como se chama aquela quinta ali ao fundo? Quem ganhou a Portugal em Voleibol? agora já sei que foi a Bulgaria, eheheheh). O que vale é que muitos tinham cúmplices em casa a "trabalhar" no Google e de certeza que esses responderam acertadamente ás diversas questões (batoteiros!).
Um pouco mais à frente e antes duma pequena mas íngreme subida rochosa parámos num pequeno largo para lanchar (já eram umas onze e tal). O pessoal da orientação continuava a passar e a fazer as tais perguntas que nós não saibamos responder (e tenho a impressão que o Artur ainda enganou sem querer um dos individuos que lhe perguntou o nome de uma serra).

Voltámos a pedalar e agora sim estávamos prontos para iniciar o trilho da falésia, o António foi à frente mas quando viu a altura da falésia começou com tonturas e optou e bem por ir a pé, o Artur e o Jorge também optaram por ir pé e apreciando a linda paisagem e tirando fotografias, mas como eles não sofrem de vertigens acredito que talvez no futuro arrisquem a fazer o trilho montados. Eu como felizmente também não sofro de vertigens e como já conhecia o caminho fui o único que me aventurei e fiz pela primeira vez o single-track da falésia montado na minha bike. Foi muito porreiro!! Gostei!

Era a altura de deixar as fotografias para trás e avançar porque já se estava a fazer muito tarde, e nós ainda estávamos relativamente longe. Seguimos em direcção a Casais da Serra, passamos o parque de merendas do Alhambre, um pouco mais à frente virámos à esquerda ao pé do Café "Bom Petisco", passámos pelo condomínio fechado e seguimos até ao belo trilho do "Chico-das-Saias".

Quando acabámos o trilho e quando nada o fazia prever aconteceu o pior incidente de sempre da historia dos nossos passeios com uma queda aparatosa do Jorge numa descida em gravilha, mas que felizmente não teve a gravidade que potencialmente poderia ter. De qualquer forma, todos os sustos e os arranhões são sempre demais e não são nada bem vindos!! Tchau!! Até nunca mais!! não voltem!!

Voltamos a estrada dos picheleiros, seguimos pela rua do alto das necessidades, fizemos a "frigorifica" e quando chegámos ao vale dos barris encontrámos dois tipos da organização da maratona de BTT do Pinhal Novo que estavam num ponto de reabastecimento e que simpaticamente nos perguntaram se necessitávamos de alguma coisa. Aproveitámos para reabastecer as nossas reservas de agua (que já estavam a ficar escassas) e o António e o Artur ainda comeram uma banana! Agora já só faltava fazer o vale dos barris, seguir até Palmela e depois até cada uma das nossas casas!

Resumindo: Maior volta "reumática" de sempre, talvez uma das mais bonitas, trilhos espectaculares, exploração de novos caminhos e identificação de outros dois, clima quente (mas estamos em Junho, não nos podemos queixar) e um valente atraso para o almoço! (ahhh... as filmagens on-board ficaram mais ou menos, mas não deu para filmar o trilho do chico das saias porque o cartão de memoria já estava cheio e ainda por cima agora o programa de edição de vídeo não reconhece os ficheiros! Não se vai haver vídeo "reumático" esta semana!)

Distancia percorrida: 64,96 km

"Reumáticos" de serviço: António, Artur, Carlos e Jorge "Quedas"














Sem comentários:

Publicar um comentário