segunda-feira, 22 de julho de 2013

Rescaldo - Passeio de BTT de 21/07/2013 - Investigações, silvas, alergias, ressacas e afins

Esta semana fizemos um passeio muito atípico, mas não havia condições para fazer algo melhor... O Artur está com uma alergia qualquer e tem as vias nasais obstruídas, o Rodrigo tinha apanhado uma "carraspana" na véspera e ainda não estava totalmente recuperado, e o Lino mesmo antes de começar a volta parecia que tinha sido atropelado por um comboio... Resumindo, desta malta toda , eu que estou num dos piores momentos de forma do ano, era capaz de ser o que estava em melhores condições! E como para além disto tudo o João e o Zé também não vieram achei que era a altura ideal para dedicar o passeio de hoje a fazer umas investigações que podem ser úteis em voltas futuras.

A primeira foi logo na Serra do Louro, mesmo no final do trilho dos Moinhos, uma descida à direita logo a seguir ao antepenúltimo moinho (o que tem a casa e os três cães):

Como o caminho era curto e estava desconfiado que aquilo não era para eu fazer montado, deixei a bike cá em cima e fui a pé analisar o trilho. Afinal não era assim tão inclinado como eu pensava, mas tem ali uma zona na parte final com umas rochas que pode ser perigosa principalmente para a malta que tem de ir trabalhar no dia seguinte ;-)

Dali seguimos para a segunda investigação do dia, que era o reconhecimento de um trilho que eu tinha visto num vídeo dos Bike on the move e que estava com curiosidade de conhecer. O vídeo em questão é este AQUI e que à primeira vista me parecia ser completamente desconhecido. Depois de uma troca de impressões com o Bruno Costa, cheguei à conclusão que apesar de não conhecer a totalidade do caminho, conhecia o suficiente para me orientar, e aproveito para deixar aqui publicamente o meu agradecimento ao Bruno por ter partilhado comigo esta informação.

O trilho (linha vermelha) em si é muito engraçado, é pena as silvas estarem a fecha-lo em algumas zonas, principalmente na parte final. Um pouco antes dessa parte mais desagradável, há também que ter cuidado com uma descida muito rápida que pode provocar alguns estragos aos menos hábeis. Quem quiser ver o trilho de outro ângulo basta clicar aqui.
PS: Para se sair do trilho tem que se atravessar a pé uma pequena ribeira.


O mais engraçado disto tudo (na altura não deve ter sido assim tão engraçado) é que o Artur e o Rodrigo (mais o Jorge e Luís) aqui há uns anos atrás andaram por ali perdidos, e foram mesmo quase até ao fim do trilho, sempre a descer a pique, para depois serem obrigados a voltar para trás por não terem sido capazes de encontrar a saída! Isto tudo porque o Artur queria achar um caminho que tinha feito comigo numa caminhada e como se desorientou levou-os direitinhos até ali.

Já agora que estou numa de print-screens do Google Earth deixo aqui, só para o Artur poder tirar as duvidas e para evitar futuros enganos, a imagem do tal caminho da caminhada (linha amarela):


Depois de atravessarmos a tal ribeira virámos à esquerda e fomos fazer a terceira e ultima investigação do dia!
Este trilho (linha amarela) já tinha sido feito pelo Zé, que me se tinha metido por ali um dia destes, e lá fomos nós pelo meio de mais umas quantas silvas até uma corrente que divide dois terrenos, mas em vez de seguirmos pela frente da casa do proprietário cortámos logo à direita atravessámos uma zona que aparentava ter sido roçada à pouco tempo, mas onde as silvas já estavam novamente a crescer e que nos levou sempre a subir ligeiramente até às Oliveiras. Se as silvas não ganharem muito mais terreno é uma boa opção para quem estiver naquela zona (e leve câmaras-de-ar anti-furo, lol):


A partir daqui e como as investigações já tinham sido concluídas, e para evitar males maiores optámos por encetar o regresso a casa de forma a que alguns de nós pudessem ir dormir uma soneca ;-)


Até à próxima! (vamos lá ver se conseguimos fazer mais de 40 km, lolol)


Sem comentários:

Publicar um comentário