quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Rescaldo – Passeio BTT de 09/11/2008 – Subidas, novos trilhos e... "Rabanadas"!!

Desta vez começámos logo com um trilho novo! Fomos fazer o trilho do Castelo! Para lá chegarmos primeiro tivemos de subir as inclinadas ruas de paralelos de Palmela. Depois da Igreja de S.Pedro descemos por um estadão de terra batida até que apareceu uma barraca velha, aí virámos no trilho à direita, passámos ao lado dessa barraca e seguimos sempre por um trilho estreitinho. Já estávamos no tal trilho do castelo e pouco tempo depois tivemos que desmontar e andar a pé uns metros porque a inclinação era tão grande que tivemos medo que se caíssemos estragássemos o trilho… (sim porque a nossa “rijeza” é tanta que podíamos criar alguma cratera, ehehehe).
Avançámos, e um pouco mais à frente lá fomos obrigados novamente a desmontar (pelos mesmos motivos) [podem ver aqui o local onde desmontámos pela 2ª vez]. (não comecem já a chamar-nos nomes por termos feito FootHill ali, não se esqueçam que era a nossa primeira vez naquele trilho). Depois fizemos o “Drop dos Pombos” (é assim que lhe chamam neste vídeo do Youtube) [este já o fizemos montados!], depois tivemos de subir um pouco (o Jorge na subida teve que parar porque a corrente saltou dos carretos) para depois continuarmos sempre num trilho estreito e relativamente perigoso até chegarmos à estrada romana (não se foi por ter sido a primeira vez, mas pareceu-me que este trilho é dos mais perigosos onde já passei… o trilho da falésia ao pé disto não é nada!) [ok, ok… há trilhos 500 vezes mais perigosos… este por exemplo].
Descemos a estrada romana até à estrada da cobra e depois até à Baixa de Palmela, para a seguir subimos para o trilho da Jibóia.
Quem já o fez sabe da dificuldade que é subir este estradão, eu tive de parar umas três vezes para recuperar (tinha comido uma banana em jejum e bebido leite a seguir e a mistura estava-me a deixar indisposto) [mas mesmo se estivesse bem acho que ainda não era desta que conseguia fazer aquilo tudo de seguida]. Quem subiu com muita classe foi o Vaquinhas, ele só parou porque quis esperar por nós que vínhamos mais atrasados. Também tenho de referir que o Artur também se portou à altura de um “Rijo” e até já achou que a Jibóia nem é assim tão difícil… (acho que o segredo dele são os pneus carecas, eheheheh)
Depois da Jibóia seguimos até ao Moinho da Pascoa e um pouco mais à frente viramos no trilho que desce até aos estradões que dão acesso às antigas pedreiras da Serra de São Luís.
Era a altura de conhecermos mais um novo trilho! Isto porque quando acabamos a descida virámos à direita e seguimos por um trilho que passa por entre umas oliveiras e que vai dar ao estradão que segue até ao tanque.
Todos gostámos do trilho e este vai de certeza voltar a entrar em próximos passeios.
Descemos até à N10 e depois continuámos a sempre a descer até à Comenda pelo alcatrão que habitualmente fazemos a subir.

Após o lanche seguimos até ao Alto da Comenda e como o nome indica fartámo-nos outra vez de subir, e de subir, e de subir… (o que vale é que iam aparecendo uns medronhos e o pessoal esquecia-se um bocado, eheheh).
Mas o pior estava ainda para vir porque aqui os “Rijos” não temem qualquer subida, o mesmo já não se pode dizer das descidas… Isto porque desta vez optámos por descer até à várzea da comenda por outro lado (só eu e o António é que já conhecíamos) e houve lá sítios que tivemos que desmontar porque ainda não temos coragem suficiente para fazer aquilo tudo montados (diga-se a bem da verdade que da nossa brigada, ainda só o “Reumático” Ricardo Speddy Gonzalez é que conseguiu descer aquilo tudo montado na sua Berg Torah).
Quando chegámos à várzea, o Jorge (que é de todos o que mais teme as descidas) vinha revoltado pela escolha daquele trilho desatou a pedalar como se não houvesse amanha! O Vaquinhas e eu fomos atrás dele, o Artur e António não aguentaram o ritmo e ficaram para trás.
Parámos nos picheleiros para reagrupar, mas foi “sol de pouca dura” porque o Jorge voltou a dar uma daquelas arrancadas e só o apanhámos porque na N10 nós atalhámos pelo trilho, e ele seguiu sempre pelo alcatrão até à Rua do Alto das Necessidades. Aguardámos uns segundos, reagrupámos e passaram por nós dois Bttistas mais velhos que brincaram connosco e desafiaram-nos a não estarmos ali parados (eles pensaram que estávamos cansados e que estávamos a descansar). Nada mais errado, assim que o grupo ficou coeso, começamos a pedalar novamente em alta rotação e passámos pelos dois Bttistas de tal forma que eles até ficaram impressionados e nos perguntaram o que é que nós tínhamos bebido enquanto estávamos parados!
Nesta altura o Artur reparou que estávamos um pouco atrasados e como ele tinha um compromisso às 13h30, optou por ligar para a esposa para ela o ir buscar a Palmela.
Moderámos a velocidade (a subida da frigorifica assim o obriga) e quando chegámos aos Barris foi a vez do Jorge encomendar o almoço, perdão! Foi a vez do “Rabanadas” encomendar o almoço! Eehehehehe (ele bem tentou dizer à senhora do restaurante que quem falava era o “homem da chapa” mas ela só o conheceu quando ele lhe disse que quem estava ao telefone era o “Rabanadas”)[desculpa lá mas esta parte não podia faltar ao rescaldo, eheheh].

Depois da encomenda do almoço reiniciámos as pedaladas fortes, sempre com o Jorge “Rabanadas” na frente do pelotão e a manter sempre um ritmo elevadíssimo, a velocidade era tanta que chegámos a ultrapassar uma carrinha! (na faixa contraria vinha um carro da brigada de transito e os guardas até se vinham a rir de ver tal proeza). Só o consegui apanhar quando começamos a subir até Palmela, ganhei alguma distância e ainda consegui ultrapassar outro individuo que também lá rolava. Depois chegou o Jorge e a seguir o Vaquinhas, um pouco mais tarde vieram o Artur e o António.
Enquanto nos despedíamos do Artur (que ia ficar à espera da boleia) passou por nós um rapaz que habitualmente vemos na serra sempre sem capacete que nos impressionou pela velocidade e facilidade com que ele subiu o Alcatrão dos Barris (tinha sido mais engraçado se ele tivesse chegado uns minutos antes e tivesse passado por mim para eu ver a que velocidade é que ele ia).

Abandonámos o Artur em Palmela e seguimos até à Charrua, onde depois nos separámos e eu segui para o Penteado e eles para o Pinhal Novo.
O mais engraçado disto tudo é que o Jorge, o Vaquinhas e o António ainda passaram pelo Artur que estava parado numa fila de trânsito e conseguiram chegar a casa primeiro!

Resumindo: Trilhos novos, subidas, subidas e mais subidas, descidas muito inclinadas e o respectivo “FootHill”, “Rabanadas” e a certeza de que andar de carro não compensa! (gasta-se mais “gasosa” e ainda somos gozados pelos amigos” ehehehhe)

Continuação de boas pedaladas!





"Rijos" de Serviço: António, Artur, Carlos, Fernando, e Jorge

Dados de grupo:

Distancia percorrida: 53,38 km em 3:19:47

Temperatura Mínima: 10 ºC


Dados individuais:

Media de Pulsações : 139 p/min.

Pulsação Máxima: 187 p/min.

Velocidade Média: 16,0 km/hora
Velocidade Máxima: 55,0 km/hora

Sem comentários:

Publicar um comentário